Seguidores

quarta-feira, 3 de abril de 2013

0

DINÂMICAs

DINÂMICA DO PIRULITO


Dinâmica: "Auxílio mútuo"
Objetivo: Para reflexão da importância do próximo em nossa vida
Material: Pirulito para cada participante.

Procedimento: Todos em círculo, de pé. É dado um pirulito para cada participante, e os seguintes comandos: todos devem segurar o pirulito com a mão direita, com o braço estendido. Não pode ser dobrado, apenas levado para a direita ou esquerda, mas sem dobrá-lo. A mão esquerda fica livre, para trás e não poderá ser usada. Primeiro solicita-se que desembrulhem o pirulito, já na posição correta (braço estendido, segurando o pirulito e de pé, em círculo). Quando a maioria conseguir (se a estiver demorando demais deixe que abram usando a mão esquerda) dê a seguinte orientação: sem sair do lugar em que estão, mão esquerda atrás, direita segurando o pirulito e esticado sem poder dobrá-lo, todos devem chupar o pirulito! Aguardar até que alguém tenha a iniciativa de imaginar como executar esta tarefa, que só há uma: oferecer o pirulito para a pessoa ao lado!!! Assim, automaticamente, os demais irão oferecer e todos poderão chupar o pirulito. Encerra-se a dinâmica, cada um pode sentar e continuar chupando, se quiser o pirulito que lhe foi oferecido.

Para completar leia a mensagem:
As colheres de cabo comprido
Conta uma lenda que Deus convidou um homem para conhecer o céu e o inferno.
Foram primeiro ao inferno.
Ao abrirem uma porta, o homem viu uma sala em cujo centro havia um caldeirão de substanciosa sopa e à sua Volta estavam sentadas pessoas famintas e desesperadas.
Cada uma delas segurava uma colher, porém de cabo muito comprido, que lhes possibilitava alcançar o caldeirão, mas não permitia que colocassem a sopa na própria boca. O sofrimento era Grande.
Em seguida, Deus levou o homem para conhecer o céu.
Entraram em uma sala idêntica à primeira: havia o mesmo caldeirão, as pessoas em Volta e as colheres de cabo comprido. A diferença é que todos estavam saciados. Não havia fome, nem sofrimento.
'Eu não compreendo', disse o homem a Deus, 'por que aqui as pessoas estão felizes enquanto na outra sala morrem de aflição, se é tudo igual?'
Deus sorriu e respondeu:
'Você não percebeu? É Porque aqui eles aprenderam a Dar comida uns aos outros.'

Moral:
Temos três situações que merecem profunda reflexão:
1. Egoísmo: as pessoas no 'inferno' estavam altamente preocupadas com a sua própria fome, impedindo que se pensasse em alternativas para equacionar a situação;
2. Criatividade: como todos estavam querendo se safar da situação caótica que se encontravam, não tiveram a iniciativa de buscar alternativas que pudessem resolver o problema;
3. Equipe: se tivesse havido o espírito solidário e ajuda mútua, a situação teria sido rapidamente resolvida.
Conclusão:
Dificilmente o individualismo consegue transpor barreiras.
· O espírito de equipe é essencial para o alcance do sucesso.
· Uma equipe participativa, homogênea, coesa, vale mais do que um batalhão de pessoas com posicionamentos isolados.
Isso vale para qualquer área de sua vida, especialmente a profissional.
E, lembre sempre:
A alegria faz bem à saúde; estar sempre triste é morrer aos poucos.
Abra a discussão sobre o quanto é importante a participação e apoio dos pais nas atividades escolares e só unindo forças é que conseguiremos o sucesso dos alunos/filhos.

DINÂMICA - CASAMENTO EM ALTO MAR


Atitudes
Flexibilidade, Foco em pessoas, Liderança, Senso crítico, Relacionamento interpessoal
Objetivos
1. Desenvolver a flexibilidade, liderança e a capacidade de comunicação através do consenso.
Materiais
- Cópia do texto abaixo, para cada participante:
Um casal de noivos marcou seu casamento e decidiu realizar a cerimônia em alto mar. Eles tomaram um barco conduzido por um experiente marinheiro, uma senhora e um amigo do noivo. Durante a viagem, veio uma tempestade muito forte, e o noivo foi tragado pela água, perdendo-se no mar. A noiva procurou o marinheiro e implorou para que ele resgatasse seu noivo. O marinheiro propôs, levando em conta que ela não tinha dinheiro suficiente para pagar por um serviço tão perigoso, que pelo menos cortasse um dedo de sua mão esquerda como prova de amor. A noiva, sem saber que decisão tomar, pensou que a velha senhora pudesse ajuda-la com sua sabedoria. A senhora disse: "Faça o que quiser, não posso decidir por você." Depois de pensar muito, decidiu aceitar a proposta do marinheiro, pedindo ao amigo de seu noivo que a ajudasse a cortar o dedo. O marinheiro então, cumprindo sua promessa, resgatou o jovem noivo do mar.
Logo que recobrou os sentidos e soube do acontecido, virou-se para a noiva e disse que não casaria mais com ela, pois não conseguiria vê-la sem um dos dedos da mão. O amigo do noivo, ao ouvir sua decisão, imediatamente propôs à jovem casar-se com ela. A jovem não só aceitou a proposta como pediu ao marinheiro que jogasse novamente seu antigo noivo ao mar.
Procedimento
1. O coordenador irá entregar o texto abaixo a cada participante, pedindo que, após a leitura, individualmente, classifique os personagens da história de 01 a 05, sendo: 1 = Pior e 5 = Melhor
a. Noiva.
b. Noivo.
c. Amigo do noivo.
d. Marinheiro.
e. Velha senhora.
2. Após todos terem respondido, pedir que os participantes apresentem sua classificação justificando o por quê.
Dicas
1. Iniciar o processamento abrindo espaço para que os participantes façam comentários sobre sentimentos, dificuldades, facilidades e outros que o grupo julgar importantes.
2. Observar a cooperação entre os participantes, se surgem lideranças e como ocorre a comunicação.

DINÂMICA - DIZENDO POR DIZER


Atitudes
Liderança, Capacidade analítica, Assertividade, Credibilidade pessoal, Comunicação
Objetivos
1.Desenvolver idéias coerentes e aprender a manifestar sua opinião.
Materiais
- Uma frase escrita em um papel para cada participante.
Sugestões de frases:
a. A bomba está perto de explodir.
b. O circo vale mais do que o pão.
c. Um por todos, todos por um.
d. A causa verde dá dinheiro.
Procedimento
1. Divide-se o grupo em equipes de 5 pessoas.
2. Cada participante recebe uma frase (ou escolhe).
3. O coordenador dá 15 minutos para que cada um, em silêncio, organize as idéias para, em 5 minutos, explicar o significado da frase e elabore um discurso que convença o grupo de que a afirmação é verdadeira.
4. A equipe deve ter um cronometrista e todos os participantes devem anotar o que pensam do discurso de cada um dos companheiros da equipe.
5. O coordenador deve estar atento para que não seja um debate de idéias, mas análise da lógica e da capacidade de convencimento de quem está falando.
Dicas
1. Observar e questionar o grupo se os participantes têm poder de persuasão, têm capacidade analítica, se conseguem organizar suas idéias em um curto espaço de tempo.

DINÂMICA - CONCORDO OU DISCORDO


Atitudes
Comunicação, Empatia, Firmeza, Flexibilidade, Ética
Objetivos
1. Exercitar a capacidade de persuasão, formas de comunicação, bem como proporcionar aprendizagem.
Materiais
- Cartelas previamente elaboradas, contendo frases, expressões ou palavras que possam gerar polêmica ou elucidação.
Sugestões de temas para utilizar na dinâmica:
- Componentes nucleares.
- Aborto.
- "Manda quem pode, obedece quem tem juízo".
- "Quem tem competência se estabelece".
- A conquista é uma questão de sorte.
- Habilitação no trânsito aos 16 anos.
- Bater nos filhos.
- Globalização.
- Desmatamento na Amazônia.
- Salário (altíssimo) de jogador de futebol.
- Mulher no comando de empresas.
- Homem cozinhando, fazendo supermercado, participando de reuniões de pais na escola, etc.
- Distribuição das finanças no lar: cada um deve ser dono do seu salário.
- TV por assinatura.
- Sexo na Internet.
- Infidelidade: os direitos são iguais?
Procedimento
1. Espalhar as cartelas no chão ou sobre uma mesa.
2. Solicitar que cada participante escolha um par (formar duplas).
3. Informar que os pares irão discutir sobre um tema (frase, expressão ou palavra), onde um dos dois coloca todos os "prós", e o outro todos os "contras", ou seja, um concorda com o que está escrito, o outro discorda.
4. Orientar que cada dupla já faça, antes de pegar sua cartela, através de "par ou ímpar", a escolha de QUEM vai concordar e QUEM vai discordar.
5. Pedir que um dos membros da dupla vá até as cartelas e pegue uma.
6. Comunicar que cada dupla terá cinco minutos para sua discussão - persuasão, aceitação ou, quem sabe, consenso.
7. Após os cinco minutos, avisar: "Inverter os papéis... quem concordou, agora vai discordar e vice-versa".
Dicas
1. O coordenador abre a discussão sobre a atividade com as seguintes perguntas:
- Quais os sentimentos ou dificuldades de concordar ou discordar?
- Como foi colocar-se no lugar do outro?
- Nossas opiniões foram baseadas em preconceitos?
- Temos ou não temos preconceitos?
2. Avaliar com os participantes como foi elaborar argumentos e expor ao colega, como cada um reagiu com opiniões contrárias as suas, como ocorreu a comunicação, quais foram as duplas que conseguiram chegar num consenso e como isso aconteceu.
3. Finalizar a atividade questionando os participante sobre como eles lidam com as divergências de opiniões no ambiente de trabalho.
Observações
1. Esta atividade pode gerar competitividade.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

"A Pedra"

A Pedra

O Distraído nela tropeçou...

O bruto a usou como projetíl.

O empreendedor, usando-a, construiu.

O camponês, cansado da lida, dela fez assento.

Para meninos, foi brinquedo.

Drummond a poetizou.

Já, Davi, matou Golias, e Michelangelo extraiu-lhe a mais bela escultura...
E em todos esses casos, a diferença não esteve na pedra, mas no homem!

Não existe "pedra" no seu caminho que você não possa aproveitá-la para o seu próprio crescimento.


Criado no siteVocê na capa de NOVA ESCOLA.

Apresentação

Olá amigos, vocês devem ter notado que meu blog está em fase de arrumação. mas em breve vocês terão muitas novidades. Agradeço sempre as dicas e tutoriais de outros blogs e sites "parceirões" que eu sigo e adoro, pois é com eles que eu sempre aprendo muito. Não poderia deixar de citá-los: coisinhasdenikita, tonygifsjavas, FlachVortex.com e Blogueiras Unidas, e dicasparablogs. bjs á todos e fiquem com Deus.
Com Carinho, Dihéne